Adus e Hamburgada do Bem alegram o dia de crianças refugiadas

Nota do Adus em relação à detenção de estrangeiros no espaço “Conector”
28 de setembro de 2016
Adus lança projeto voltado a refugiados empreendedores
18 de outubro de 2016
Mostrar tudo

Adus e Hamburgada do Bem alegram o dia de crianças refugiadas

Texto: Alethea Rodrigues / Fotos: Débora Rodrigues

Evento proporcionou dia de alegria e diversão às crianças e aos familiares

Pela primeira vez, o Adus – Instituto de Reintegração do Refugiado – e a ONG Hamburgada do Bem trabalharam em parceria para realizar um evento especial em comemoração ao Dia das Crianças. A Hamburgada do Bem é um projeto que acontece mensalmente e leva hambúrgueres artesanais, diversão e informação para pessoas em situação de vulnerabilidade. O evento é realizado por voluntários que se inscrevem e participam de toda a organização da festa.

Nessa edição, o tema escolhido foi refúgio, razão pela qual a organização se juntou ao Adus, que orientou e indicou dezenas de famílias refugiadas para esse momento de integração. A ação aconteceu no galpão cultural Vila Itororó Canteiro Aberto, localizado na região central da cidade de São Paulo. Durante o evento, mais de dez atividades, como fábrica de massinhas, fábrica de pulseiras, pula-pula e pintura de unhas e cabelos, além de atividades educativas, fizeram parte do sábado de recreação. “Trouxe meus três filhos e eles adoraram. Desde que cheguei da Angola estou morando em um abrigo, e, como ainda não consegui emprego, o único lugar que eles frequentam é a escola”, contou Bijou Dias Luzayano, que está no Brasil há seis meses e cria os filhos sozinha.

Os recursos para a realização do evento é fruto de patrocinadores, mas a maior parte vem de doações dos próprios voluntários no momento em que se inscrevem para participar das ações. Para Guilherme Ribeiro, responsável pela coordenação-geral do projeto, a parceria com o Adus é extremamente importante. “É uma grande troca de experiências, culturas e conhecimento. Sabemos que a maioria dos refugiados não tem acesso a nada disso, por isso convidamos o Adus a nos ajudar nessa ação. Acredito que o que precisa mudar não é a sociedade, e sim o indivíduo. Trabalhamos com esse objetivo e hoje já temos cerca de 500 voluntários que atuam com a gente em ações como essa. Tenho certeza que saem dos eventos pessoas muito melhores”, finalizou.

Comments are closed.