Refugiados na Turquia apoiam luta armada rebelde na Síria
31 de julho de 2012
Campo de Kakuma no Quênia já opera acima de sua capacidade máxima
12 de agosto de 2012
Mostrar tudo

Centenas de pessoas deixam a Síria todos os dias

Mais de 1,5 milhão de pessoas estão deslocadas dentro da Síria com pouco ou nenhum acesso a ajuda humanitária. O alerta foi feito na última sexta-feira pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR).

Com os embates ainda em curso muitas pessoas têm sido forçadas a deixar suas casas e procurar ajuda de famílias solidárias ou abrigos improvisados.”Muitas outras estão presas no meio da batalha e temem ser atingidas enquanto buscam proteção”, disse Melissa Fleming, porta-voz do ACNUR em Genebra.

(Foto: ACNUR)

De acordo com o Crescente Vermelho Árabe-Sírio (SARC, em inglês), 7.200 pessoas estão refugiadas em 45 escolas e seis dormitórios estudantis em Aleppo. Outras estão em mesquitas ou perambulam de vila em vila tentando ficar fora da rota de violência. A equipe do ACNUR em Aleppo relata a completa pane na cobertura de celulares e internet.

Por meio do SARC, o ACNUR está distribuindo material básico para as famílias improvisarem abrigos. No entanto, os suprimentos estão bloqueados desde a última semana, quando as forças militares cercaram Aleppo.

A violência também se espalha em Damasco. A Agência da ONU para Refugiados Palestinos (UNRWA, em inglês) reportou 20 mortos e 10 feridos em Yarmouk, onde vivem muitos palestinos. Um refugiado iraquiano disse que seu filho foi atingido no bairro de Sayyda Zainab e morreu ao chegar ao hospital. Um grupo armado atirou nas pernas de um sudanês.

O ACNUR concede assistência financeira emergencial e por tempo limitado a diversos deslocados em Damasco e Al Hasakeh. E um único dia, 700 pessoas procuraram a agência na capital do país para solicitar o recurso e receber orientações. A maioria delas disse temer ataques e roubos. Muitas estão escondidas em escolas superlotadas e em condições precárias de higiene.

Alguns refugiados estão optando por voltar a seu país de origem. É o caso de 20 mil iraquianos que deixaram a Síria em meados de julho, incluindo mais de 5.200 que voltaram em voos fretados pelo governo do Iraque. Os primeiros saíram de Damasco e Aleppo, entraram por Al-Waleed e foram direcionados para um campo de refugiados.

Existem 12 mil refugiados sírios no Iraque e as autoridades esperam receber mais fluxos.

O ACNUR, seus parceiros e as autoridades iraquianas estão montando um segundo campo de refugiados em Al-Qa’im. Cerca de 100 tendas já foram levantadas até agora. Famílias sírias estão sendo registradas em seus locais de origem ou de abrigo, preparando-se para serem removidas para o campo de Al-Qa’im.

A Jordânia continua direcionando os recém-chegados para o novo campo de Za’atri, enquanto trabalha para ampliá-lo. Somente em julho foram registrados aproximadamente 9.500 pessoas, a maioria em Ramtha, no noroeste do país. Ao todo 37 mil refugiados foram registrados na Jordânia e outros 2.700 esperam pela documentação. Mais de 80% vieram das cidades sírias de Homs e Dara’a. No entando, as autoridades jordanianas estimam que cerca de 150 mil sírios tenham entrado no país desde março do ano passado, quando os embates começaram.

Na Turquia entram diariamente entre 400 a 600 refugiados de Aleppo e imediações. Mais de 44 mil – cerca da metade deles com menos de 18 anos de idade – estão em oito campos em quatro províncias da fronteira. A equipe do ACNUR está nestas regiões para dar suporte técnico e distribuir materiais para a construção de abrigos emergenciais.

O Líbano continua tendo fluxo constante de refugiados de Homs, Damasco, Dara’a e Aleppo. A maioria não se registra no ACNUR, pois vai diretamente para as cidades de Beirute, Saida ou Tripoli, onde alugam apartamentos ou têm família e amigos.

Das mais de 33 mil pessoas registradas e 1.700 que aguardam o procedimento no Líbano, muitas estão vivendo em condições precárias em comunidades ao norte do país e no Vale do Bekaa. “A maioria é composta por mulheres e crianças com incontáveis necessidades, totalmente dependentes da ajuda destas comunidades, assim como das Nações Unidas e seus parceiros locais,” disse Melissa Fleming, acrescentando que o ACNUR, seus parceiros e governos se preparam para mais influxos de refugiados da Síria.

Fonte: ACNUR

Deixe uma resposta