Chefe do ACNUR pede medidas para conter o aumento da pobreza dos refugiados sírios

Sabores do mundo
30 de dezembro de 2014
Adus lança campanha “Ultrapasse as Fronteiras do Preconceito”
21 de janeiro de 2015
Mostrar tudo

Chefe do ACNUR pede medidas para conter o aumento da pobreza dos refugiados sírios

António Guterres fez um apelo para intensificar o apoio financeiro aos refugiados sírios e aos países que os acolhem

Mohammed e sua família vivem em um apartamento danificado no centro de Amã. Dois de seus filhos têm necessidades especiais. A família recebe do ACNUR 100 dinares jordanianos (US$140) por mês, mas depois de pagar energia e gás, contam com a assistência do Programa Mundial de Alimentos (PMA) para cobrir as outras despesas“ width=

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados, António Guterres, fez um apelo para intensificar o apoio financeiro aos refugiados sírios e aos países que os acolhem. Um novo relatório do ACNUR revela que um grande número de sírios está entrando na faixa da extrema pobreza.

Intitulado “Living in the Shadows” (“Vivendo na Sombra”, em português), o relatório mostra que dois terços dos refugiados sírios em toda a Jordânia vivem abaixo da linha de pobreza no país, e que um em cada seis refugiados vive em situação de extrema pobreza, com recursos de apenas US $ 1,30 por dia. As conclusões baseiam-se na maior pesquisa já feita sobre as condições de vida dos refugiados, envolvendo cerca de 150 mil pessoas.

“O problema é que a assistência dada hoje não é suficiente para garantir uma vida digna para todos os sírios que vivem na Jordânia, bem como no Líbano ou em qualquer dos países vizinhos”, disse Guterres durante sua visita a Amã.

“Isso cria uma situação em que o povo sírio está sofrendo um risco duplo, em primeiro lugar, como vítima de um conflito sem um fim no horizonte – e o desespero que isso gera – e, então, é forçado a viver em condições de extrema pobreza”, acrescentou Guterres.

Com a crise na Síria prestes a entrar em seu quinto ano, o relatório constatou que a maioria dos refugiados está se tornando cada vez mais dependente de ajuda humanitária para sobreviver, com consequente deterioração de sua qualidade de vida.

Quase a metade dos domicílios analisados pela pesquisa não tinha aquecimento, um quarto tinha fornecimento constante de eletricidade e 20% não tinham banheiro funcionando adequadamente. Para muitos deles, esta terrível situação está sendo agravada pelas tempestades de inverno que assolaram a região na semana passada, trazendo neve e temperaturas abaixo de zero e danificando os abrigos.

Guterres visitou também uma família síria em Amã que depende da ajuda financeira de agências humanitária para sobreviver. Mohammed e sua esposa Um Ahmed pagam 70 dinares jordanianos por mês (US $ 98) por um apartamento úmido no centro da cidade, com pintura descascada e paredes desmoronando.

Eles recebem do ACNUR 100 dinares (US $ 140) por mês em dinheiro. Mas, depois de pagar as contas de eletricidade e gás, dependem inteiramente da assistência do Programa Mundial de Alimentos para cobrir todas as outras despesas da família. O casal tem três filhos, dois deles têm necessidades especiais, mas só é possível pagar o tratamento médico para um deles.

“Gostaria de poder dar o tratamento adequado aos meus filhos e de vê-los com mais saúde, mas não temos recursos porque o tratamento é muito caro”, disse Um Ahmed. “Amo muito meus filhos e os aceito como são, mas eu gostaria de poder dar um tratamento melhor para eles.”

Com 3,8 milhões de sírios já registados como refugiados pelo ACNUR e outras 12 milhões de pessoas deslocadas precisando de assistência dentro da Síria, no mês passado as agências da ONU e seus parceiros humanitários lançaram um apelo por mais de US $ 8,4 bilhões para distribuir ajuda aos sírios em 2015.

O Alto Comissário Guterres advertiu que as necessidades humanitárias consequentes da crise aumentam em ritmo maior do que as contribuições da comunidade internacional, e instou os doadores a elevar maciçamente seu apoio aos refugiados e às comunidades de acolhida.

“Nós ainda não temos ideia de quanto será o financiamento para 2015. Esperamos que seja maior do que em 2014, porque no ano passado pudemos responder a apenas 50% das necessidades”, disse Guterres. Como mostra o relatório “Living in the Shadows”, qualquer outra redução de assistência teria consequências graves e imediatas para milhões de sírios, acrescentou Guterres.

Fonte: Acnur – Por Charlie Dunmore, em Amã, na Jordânia

Comments are closed.