Com identidade visual reposicionada, Instituto Adus marca nova etapa em seu desenvolvimento

Edição da Feirinha Étnica do Adus na SP Escola de Teatro é sucesso de público em São Paulo
29 de setembro de 2017
Conferência no Rio de Janeiro discute prioridades da política global
17 de outubro de 2017
Mostrar tudo

Com identidade visual reposicionada, Instituto Adus marca nova etapa em seu desenvolvimento

Ao completar 7 anos de existência, nova identidade visual busca transmitir persistência, foco e coragem para a construção do futuro

Texto: Juliana Kiyomura

Ao longo do tempo muito mudou. O Instituto Adus não só se consolida entre uma das referências na reintegração de refugiados e imigrantes em situação análoga ao refúgio na sociedade brasileira, como também as próprias mudanças em infraestrutura demandaram um novo olhar para a sustentabilidade da instituição.

Criada em 2010, a instituição funciona basicamente com a colaboração de voluntários. “Os voluntários são nossa grande riqueza e facilitadores para que a missão do Adus chegue, com eficiência, aos refugiados. Sabemos de nossas dificuldades e desafios, mas, de pouco em pouco, temos conseguido grandes avanços. E isso graças a cada um que aqui está e a todos que deixaram também a sua contribuição no decorrer dos anos”, explica Marcelo Haydu, diretor-executivo da ONG.

Também, a parceria com empresas se mostra importante para a manutenção dos projetos Trabalho e Renda, Saúde Mental e Ensino da Língua Portuguesa.

Uma nova identidade visual

A partir de agora, o Instituto Adus ganha uma cara moderna. Graças ao projeto de branding que começou em março com o envolvimento dos profissionais Vanessa de Queiroz Mendes, Juliana Kiyomura e Claudio Quartilho, uma nova identidade visual transmite, com alegria e modernidade, a persistência e o foco no futuro que o Adus busca seguir.

“Na criação do novo logotipo, exploramos o próprio nome, onde a letra ‘D’ revela uma seta, um caminho, uma saída. O elemento passa valores importantes como direcionamento, determinação e coragem. Principalmente quando falamos de refugiados, são sentimentos que crescem quando eles são obrigados a deixar suas casas, na maioria das vezes de forma forçada, e precisam reconstruir, ressignificar, suas vidas em outro lugar”, pondera Claudio Quartilho.

Com mais de 17 anos de experiência em propaganda, Claudio Quartilho tem passagens em várias agências como diretor de arte, tais como Leo Burnett, FCB e Young & Rubicam em Portugal, e outras no Brasil como J.W.Thompson, Propeg, Taterka, Africa e MPM. Trabalhou como supervisor de criação na Z+ Havas e como diretor de criação na Tritone Interativa. Atendeu clientes como Bradesco, Parmalat, Kellog’s, Fiat, Unilever, Vodafone Telefonia, Danone, Banco Santander, Nestlé, Pulmann, TAM Viagens, Penalty, Hyundai, Subaru e Brasilprev, entre outros.

Além do reposicionamento da marca, internamente a organização passa por reestruturação de suas áreas para assegurar a sustentabilidade dos projetos e comprometimento mais efetivo com os refugiados atendidos. “Completamos sete anos de existência em outubro. Que venham muitos outros, e de forma positiva para todos os envolvidos”, diz Haydu.

Comments are closed.