Encontro das “Redes de Proteção” debate integração de migrantes e refugiados no Brasil

Mundo tem o maior número de refugiados desde a década de 1990
2 de junho de 2011
Autoridades do Bié constroem centro para a recepção dos refugiados ao país
2 de junho de 2011
Mostrar tudo

Encontro das “Redes de Proteção” debate integração de migrantes e refugiados no Brasil

BRASÍLIA, 01 de junho de 2011 (ACNUR) – Começa amanhã (02/06/2011) em Brasília o VII Encontro Nacional das Redes de Proteção, promovido pelo Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH), Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e Pastoral da Mobilidade Humana da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O encontro discutirá as oportunidades e desafios da integração local de refugiados e migrantes no Brasil, com a participação de entidades de todo o país.

O encontro será inaugurado pelo presidente do Comitê Nacional para Refugiados (CONARE) e secretário-executivo do Ministério da Justiça, Luiz Paulo Barreto, com a conferência “História do Refúgio no Brasil: Um Compromisso Humanitário”. Aberta ao público, a palestra acontece nesta quinta-feira (02/06), às 17hs, no Auditório Tancredo Neves, do Ministério da Justiça. O restante do encontro, que termina nesta sexta-feira (03/06) e acontece no Centro Cultural de Brasília, será restrito aos integrantes da Rede Solidária para Migrantes e Refugiados, articulada pelo IMDH e que conta com atualmente 50 diferentes instituições.

O VII Encontro Nacional das Redes de Proteção é parte das celebrações, no Brasil, dos 60 anos da Convenção da Convenção da ONU sobre o Estatuto do Refugiado (de 1951), dos 50 da Convenção da ONU sobre a Redução dos casos de Apatridia (1961) e do 150º aniversário de nascimento do norueguês Fridtjof Nansen, o primeiro Alto Comissário para Refugiados da Liga das Nações.

O objetivo da reunião será discutir as principais questões enfrentadas pelas entidades que atuam na acolhida, proteção e integração de refugiados e migrantes no Brasil, capacitar os agentes que atuam na área, facilitar a troca de experiências e incentivar ações de inclusão da população migrante e refugiada em políticas públicas.

“Esperamos fortalecer nossa articulação e parcerias e, acima de tudo, contribuir para uma maior mais eficaz ação de acolhida e integração de refugiados e migrantes que buscam nosso país para reconstruir suas vidas em segurança e com respeito à sua dignidade”, afirma a diretora do IMDH, Irmã Rosita Milesi.
O Brasil abriga hoje aproximadamente um milhão de imigrantes e cerca de 4.500 refugiados, estes últimos de 77 nacionalidades diferentes. O debate e a troca de conhecimento entre as entidades da Rede Solidária são ferramentas importantes para elaborar ações que atendam às necessidades de acolhimento deste público tão diverso. “O encontro tem especial valor e riqueza para as entidades, para seus agentes e, fundamentalmente, para os próprios refugiados e migrantes, com quem desejamos sempre avançar nesta causa humanitária”, afirma o Representante do ACNUR no Brasil, Andrés Ramirez.

Entre as atividades do encontro estão uma reflexão humanitária sobre a acolhida de haitianos no Brasil, um painel com membros do CONARE, ACNUR, Conselho Nacional da Migração (CNIg) e IMDH sobre questões, dúvidas e necessidades cotidianas integração do migrante e refugiado, além de um exercício sobre difusão de notícias e troca de experiências e boas práticas entre as entidades e a sociedade civil.

A programação completa do “VII Encontro Nacional das Redes de Proteção” pode ser consultada no site www.migrante.org.br, do IMDH.
Fundado em 1999 e ligado à Congregação Scalabriniana, o Instituto Migrações e Direitos Humanos é uma associação sem fins lucrativos de caráter filantrópico voltada à atenção, assistência e defesa de direitos de migrantes (migrantes internos, imigrantes, emigrantes e brasileiros retornados) e refugiados, inclusive encarcerados.

Articulador da Rede Solidária para Migrantes e Refugiados, o IMDH recebeu o prêmio Direitos Humanos 2005 e o Prêmio Solidário em 2006, concedido pelo ACNUR, além de ser um dos representantes da sociedade civil no CONARE.

Fonte: ACNUR

 

Deixe uma resposta