Festa Conectadus reúne comida e atrações na Vila Madalena
31 de outubro de 2016
Mãe busca ajuda para trazer os filhos do Congo
8 de dezembro de 2016
Mostrar tudo

Feirinha Étnica do Adus anima o feriado prolongado

Texto: Alethea Rodrigues / Foto: Gabriela D’Andrea Ozzetti

Evento foi realizado na jardim da Fundação Ema Klabin, em São Paulo

O Adus – Instituto de Reintegração do Refugiado –, em parceria com a Fundação Ema Klabin, preparou com muito carinho uma tarde de sábado especial com refugiados, solicitantes de refúgio e pessoas em situação análoga ao refúgio. Tudo isso aconteceu no último dia 12, na 3ª Feira Étnica do Adus, localizada na própria fundação que fica no bairro Jardim Europa, zona sul de São Paulo. Tudo saiu conforme o esperado e o evento foi um sucesso.

A Feirinha foi uma ótima opção para quem não saiu de São Paulo no feriado prolongado. Os visitantes puderam conhecer um pouco mais da realidade das pessoas que buscam uma nova vida no Brasil e ainda tiveram a oportunidade de adquirir objetos de arte, produtos típicos e provar o melhor da gastronomia árabe, africana, além de saborearem pratos da culinária brasileira. O casal Rogério e Adriana contou que foi o primeiro contato com refugiados. Eles escolheram provar da comida congolesa e adoraram. “Está tudo muito bom. Adorei a ideia de uma feira como esta. É uma excelente forma de integrar essas pessoas tão sofridas na nossa sociedade”, afirmou Rodrigo.

No local, o Adus montou um pequeno bazar e vendeu os produtos de Sophia Maia. A pequena, que tem apenas 10 anos, abraçou a causa da ONG e reverte o lucro obtido nas vendas de seus livros e camisetas para a instituição.

Ao longo da tarde, também foram oferecidas oficinas gratuitas, como um workshop de turbantes, ministrado pela nigeriana Temitope Olusola. “Já dei algumas aulas em outros eventos do Adus e hoje me sinto um pouquinho menos tímida. Gosto bastante dessas oportunidades, principalmente porque consigo praticar um pouco de português”, contou Temi, que está no Brasil há dois anos e vende lindos turbantes para complementar a renda da família. A Feira terminou com alguns passos de Dabke, dança folclórica típica em países árabes, feitos pelo jornalista sírio Anas Obeid.

 

Comments are closed.