Integração: solicitantes de refúgio e refugiados frequentam aulas de português em Manaus

Adus conclui segundo curso de formação de voluntários
17 de maio de 2012
Colômbia: Palhaços Sem Fronteiras viajam por Meta e Arauca levando sorrisos
21 de maio de 2012
Mostrar tudo

Integração: solicitantes de refúgio e refugiados frequentam aulas de português em Manaus

Para facilitar a integração socioeconômica dos estrangeiros que buscam proteção em Manaus, o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados e a Cáritas Manaus oferecem cursos básicos gratuitos de português para os refugiados e solicitantes de refúgio que vivem na principal cidade da região amazônica.

O curso, que existe há mais de um ano, já beneficiou mais de 30 estudantes de diferentes nacionalidades. Uma nova turma começou nesta semana, com oito participantes (entre solicitantes de refúgio e refugiados da Colômbia e de Guiné Conacri, na África). As aulas acontecem às segundas, quartas e sextas-feiras, das 18h30 às 20h30, em uma sala da Arquidiocese de Manaus, no centro da cidade.

(Foto: ACNUR)

Diego(*), que acaba de chegar da Colômbia, é um dos novos alunos. Ele tenta se comunicar nas ruas de Manaus, em português, mas quase nunca conseguem entendê-lo. Para ele, as aulas contribuirão para seu processo de integração no Brasil.

“Falar português será algo muito importante na minha vida. As aulas poderão me ajudar a crescer socialmente e economicamente, facilitando minha entrada no mercado de trabalho”, avalia Diego.

Ele foi forçado a deixar seu país devido à perseguição de grupos armados irregulares que passaram a atuar na região onde ele morava, em 2010. Um dos seus irmãos foi levado por um grupo e desapareceu. Para evitar este mesmo destino, Diego seguiu os conselhos do pai e deixou a cidade onde morava.

Posteriormente, o mesmo grupo expulsou o restante de sua família da casa onde moravam, e desde então Diego não teve mais contato nem notícias dos seus familiares. Antes de chegar a Manaus, passou pela Venezuela e decidiu buscar refúgio no Brasil. “Espero ter uma nova família no Brasil. Para mim, aprender o português significa não voltar mais aos maus-tratos e à violência”, disse o jovem solicitante de refúgio.

Todos os refugiados, solicitantes de refúgio e estrangeiros recém-chegados a Manaus com mais de 12 anos de idade podem se inscrever no curso oferecido pelo ACNUR e pela Cáritas Arquidiocesana. Eles recebem um kit de material didático com apostila, caderno, lápis e borracha. Os refugiados e solicitantes que estão no país há menos de um ano contam ainda  com um auxílio transporte oferecido pelo ACNUR.

“O domínio do idioma local é uma das principais dificuldades encontradas pelos refugiados na busca por um emprego. Saber falar o português, ainda que em nível básico, ajuda os refugiados a alcançarem a autossustentabilidade e é fundamental para sua integração no país de acolhida”, afirma o representante do ACNUR no Brasil, Andrés Ramirez. Por isso, os cursos são incentivados pelo ACNUR e seus parceiros em todo o país.

Nas aulas de português oferecidas pela Cáritas Manaus, em parceria com o ACNUR, o professor adota uma didática específica que facilita o ensino do português para adultos. Além do idioma, os refugiados aprendem como preencher documentos brasileiros, como solicitar uma carteira de trabalho e como preencher corretamente um currículo profissional.  O curso incluiu ainda dicas básicas sobre o dia-a-dia na cidade de refúgio.

Para Andreia Lopes, assistente social da Cáritas Manaus que coordena os programas de assistência a refugiados e solicitantes de refúgio, as aulas são relevantes para o aprendizado formal da língua e para resgatar a autoestima dos refugiados.

“Esse curso é de extrema importância para a integração local desta população. Quando eles chegam, não conseguem se comunicar direito com os brasileiros. Mas ao longo do curso, vão vencendo essas dificuldades. A gente nota como ficam felizes de poder conversar e se expressar melhor”, explica.

Crianças e jovens que já estão matriculados em escolas brasileiras também podem frequentar as aulas de português. Andreia Lopes conta que a evolução dos jovens é mais rápida, e que os alunos das aulas de português também melhoram o rendimento escolar.  “Os jovens têm capacidade de se comunicar mais facilmente, e vão aprendendo paralelamente à escola. As dúvidas que surgem na escola são trazidas para o curso e discutidas com o professor. Isso ajuda bastante”, conclui.

As aulas da nova turma começaram na última segunda-feira, e as próximas aulas acontecem hoje e nesta sexta-feira. Novos alunos serão aceitos até o próximo dia 25 de maio. Os interessados devem procurar a Cáritas de Manaus, que fica na Arquidiocese de Manaus – no mesmo prédio onde acontecem as aulas.

* Nome alterado por motivos de proteção

 Por Lívia Mota, de Brasília, e Isabela Mazão, de Manaus.

Fonte: ACNUR

Deixe uma resposta