Polícia prende dezenas de imigrantes tunsianos em Paris
28 de abril de 2011
Parceria no Rio de Janeiro cria emprego para refugiados
30 de abril de 2011
Mostrar tudo

Número de deslocados na região costeira da Colômbia chega a 1.800

BOGOTÁ, Colômbia, 27 de abril (ACNUR) – A agência da ONU para refugiados está preocupada com o aumento, nas últimas semanas, do número de pessoas forçadas a se deslocar de suas áreas residenciais no oeste da Colômbia, devido à violência entre grupos armados.

Nos últimos dois meses, mais de 1.800 pessoas que moram nos departamentos (ou estados) de Valle del Cauca, Cauca, Choco e Narino, na região do Pacífico, tiveram que procurar proteção em áreas mais seguras. A principal causa desse movimento foi o medo gerado pela disputa entre os grupos armados ilegais pelo controle das atividades de mineração e do plantio de coca.

foto: ACNUR)

Segundo autoridades locais, em abril mais de 200 pessoas deixaram a comunidade de llano, nos arredores do município de Buenaventura, devido aos confrontos entre grupos armados. Atos de violência em Narino, na fronteira com o Equador, fizeram mais de 400 civis – incluindo afro-colombianos e alguns indígenas – deixarem suas casas.

Em meados de abril, cerca de 200 pessoas deixaram a comunidade Llano, próximo à cidade de Buenaventura, devido aos confrontos – segundo autoridades locais. A violência em Nariño, na fronteira com o Equador, forçou mais de 400 civis (entre entre eles afro-colombianos e grupos indígenas) a deixar suas casas.

Relatos da defensoria local dão conta que um número ainda não estimado de pessoas abandonarou as áreas de Calle Larga e Santa Barbara, em Nariño, em direção à Buenaventura, 200 quilômetros ao norte dos povoados.

Equipes do ACNUR confirmaram os deslocamentos forçados após visita a seis vilarejos no Valle del Cauca, onde Buenaventura está localizada. Foram encontradas casas trancadas, e pertences foram abandonados pelos moradores. Além disso, as escolas locais  não estavam funcionando normalmente, e as atividades agrícolas foram afetadas pela presença dos grupos armados.

Os deslocamentos tiveram início em março, quando a situação de segurança se deteriorou. Diversos assassinatos foram relatados no vilarejo de Agua Clara, no Valle de Cauca, e ao longo do rio Anchicaya. Mais de 800 afro-colombianos deixaram suas casas na região do rio e buscaram abrigo em Buenaventura.

Para coordenar a assistência, grupos do ACNUR visitam as áreas afetadas e trabalham no monitoramento da situação. Paralelamente, o governo colombiano tem provido assistência e proteção aos deslocados.

fonte: ACNUR

Deixe uma resposta