Por razões humanitárias, ONU pede que haitianos não sejam repatriados

‘Aqui não há discriminação religiosa’, diz refugiado nigeriano em São Paulo
21 de junho de 2011
Europa deve estar aberta a migrantes da Primavera Árabe
23 de junho de 2011
Mostrar tudo

Por razões humanitárias, ONU pede que haitianos não sejam repatriados

As Nações Unidas apelam para os governos que suspendam o repatriamento involuntário de haitianos por causa das condições precárias do país. “Apesar das recentes eleições e dos contínuos esforços de reconstrução, o Haiti, enfraquecido pelo terremoto, não pode assegurar proteção adequada ou cuidados, especialmente para alguns grupos vulneráveis”, alertou o Porta-Voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), Adrian Edwards, na Suíça.

Estima-se que 680 mil deslocados ainda vivam em campos tanto na capital, Porto Príncipe, como em outras áreas atingidas pelo terremoto. O número de deslocados que deixaram o Haiti é desconhecido.

(Foto: ONU Brasil)

 

Por questões humanitárias, o ACNUR e o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) exortam os governos a renovar as permissões de residência e outros mecanismos para permitir que haitianos permaneçam no exterior. “O apelo é para que os governos avaliem os casos dos haitianos individualmente, não obriguem o retorno de pessoas com necessidade de proteção especial e evitem a separação de famílias”, explicou Edwards.

Fonte: ONU Brasil

 

Deixe uma resposta