Crianças celebram Dia Mundial do Refugiado em Manaus
12 de junho de 2011
Show com artistas em Madri arrecada fundos para refugiados da Líbia
14 de junho de 2011
Mostrar tudo

Refugiados na RD Congo manifestam interesse de trabalhar em Angola

Refugiados angolanos radicados na República Democrática do Congo (RD Congo) manifestaram interesse de prestar a sua contribuição em Angola, tão logo se efetive o regresso ao país, cujo reinício do processo está aprazado para 4 de julho do ano em curso nos termos de um acordo entre os respectivos executivos e o ACNUR.

Esse interesse foi manifestado a jornalistas de órgãos públicos da Comunicação Social angolana, em Kinshasa, quarta-feira, à margem de um encontro que o ministro da Assistência e Reinserção Social, João Baptista Kussumua, manteve com a comunidade de refugiados radicados na RD Congo.

Por exemplo, o cidadão Kdwete Manuel, médico oftalmologista, que se encontra na RD Congo desde 1961, afirmou desejar regressar a Angola para participar no processo de reconstrução nacional.

“Desejo regressar a Angola, mesmo hoje, onde poderei dar continuidade à minha atividade circunscrita sobretudo em operações de cataratas, cuja maior parte de pacientes tratados por mim em Matadi, RD Congo, são provenientes das províncias de Cabinda, Zaire, Kwanza Norte e Uíge”, enfatizou o médico oftalmologista.

Por outro lado, o cidadão Alberto José Fernandes Lundongo, natural do Lobito, província de  Benguela, disse à Angop estar radicado na RD Congo desde 1974.

Em 1998, enfatizou, tentou regressar ao país em companhia de outros angolanos, mas a guerra forçou-os a recuar novamente para o asilo, isto a partir da fronteira entre Angola e a RD Congo.

Salientou ser sua pretensão, agora, regressar definitivamente ao país e trabalhar, o que considera ser uma “boa coisa”. ” Por exemplo, argumentou, estamos aqui, temos uma liberdade, mas é limitada, ao passo que se uma pessoa for a Angola tudo será diferente. Teremos acesso ao trabalho ( …), não haverá problema nenhum.

Afirma ser um bom produtor de milho, café, arroz e  também manifestou disponibilidade em trabalhar em instituições de ensino, quer primários, quer secundários, já que diz ter formação em farmacologia, electrônica, eletricidade e informática.

O ministro da Assistência e Reinserção Social,  João Baptista Kussumua, esclareceu,  quarta-feira, em Kinshasa, aos membros da comunidade presentes na reunião que Angola teve um “problema triste”, numa clara alusão à guerra que o país viveu até 2002, ano em que foi alcançada a paz.

“Temos muitos desafios para a reconstrução do país. Tudo isso faz-se com pessoas, com todos os angolanos que se encontram fora. É a força dos filhos da terra que faz transformar o país, porque não há país nenhum que se tenha desenvolvido à custa de outro”, enfatizou o governante.

Sobre a falta de documentação alegada por alguns cidadãos, a vice-ministra da Justiça, Ana Canene, apontou como primeiro passo para a sua obtenção, o registo de nascimento e posteriormente a aquisição de uma certidão narrativa de nascimento, e depois um Bilhete de Identidade, processo totalmente garantido pelo Governo a todos angolanos que voluntariamente regressarem ao país.

A vice-ministra Ana Canene assegurou que o processo já está em curso, sublinhando que nessa empreitada a prioridade será dada aos adultos.

Por seu turno, o ministro João Baptista Kussumua esclareceu aos membros da comunidade presentes na reunião que Angola teve um “problema triste”, numa clara alusão à guerra que o país viveu até 2002, ano em que foi alcançada a paz.

“Temos muitos desafios para a reconstrução do país. Tudo isso faz-se com pessoas, com todos os angolanos que se encontram fora. É a força dos filhos da terra que faz transformar o país, porque não há país nenhum que se tenha desenvolvido a custa de outro”, enfatizou o governante.

Fonte:Angola Press

Deixe uma resposta