Surto de diarréia em campo de refugiados em Moçambique
26 de março de 2011
PAM vai enviar 10 toneladas de alimentos para centro de refugiados
28 de março de 2011
Mostrar tudo

Refúgio nos países industrializados cai em 2010

GENEBRA, 28 de março de 2011 (ACNUR) – O número de solicitantes de
refúgio nos países industrializados continuou caindo em 2010,
chegando quase à metade do nível no começo deste milênio.

Este é um dos principais pontos do relatório que o Alto Comissariado
das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) divulga hoje sobre o perfil
das solicitações de refúgio em 44 países industrializados.* O documento
se refere a novos pedidos, sem mostrar dados acumulativos sobre quantos
indivíduos já são reconhecidos como refugiados nestes países.

(Foto: ACNUR)

De acordo com o relatório do ACNUR, mais de 350 mil solicitações foram
apresentadas nos países industrializados no ano passado – 5% menos que
em 2009, e 42% menos que em 2001, quando cerca de 620 mil pedidos foram
feitos.

“A dinâmica global do refúgio está mudando. As solicitações de
refúgio nos países industrializados são muito menores que há uma
década, e os crescimentos anuais são verificados em poucos países”,
afirmou o Alto Comissário da ONU para Refugiados, António Guterres.
“Precisamos estudar as causas deste processo para saber se a
redução se deve a uma melhoria das condições nos países de origem
ou a um controle migratório mais estrito nos países de acolhida”.

Números caem na maioria das regiões

No ano passado, o número total de pedidos de refúgio foi o quarto mais
baixo da última década. Reduções anuais foram observadas na maioria das
regiões, incluindo Europa, América do Norte e norte da Ásia. Na Europa,
o declínio mais acentuado ocorreu no sul do continente, onde os pedidos
caíram 33% em comparação a 2009. Isso se deve a uma quantidade menor de
solicitações apresentadas em Malta, Itália e Grécia. Mas o impacto desta
redução foi minimizado pelo aumento de pedidos em outros países,
especialmente Alemanha (49%), Suécia (32%), Dinamarca (30%), Turquia
(18%), Bélgica (16%) e França (13%). Nos países nórdicos, o aumento na
Dinamarca e na Suécia foi compensado pelo declínio substancial na
Noruega (-42%) e Finlândia (-32%).

Entre continentes, somente a Oceania teve um maior número de pedidos de
refúgio comparado com 2009. Austrália recebeu mais de 8 mil
solicitações, um aumento de 33%. Contudo, as solicitações no país
estiveram bem abaixo do nível registrado em outros países
industrializados e não industrializados, e foram um terço menor que em
2001.

Estados Unidos é principal país de destino

Entre países, os Estados Unidos continuam sendo o maior país de abrigo
pelo quinto ano consecutivo, respondendo por um em cada seis pedidos de
refúgio nos países industrializados analisados no relatório do ACNUR. Os
Estados Unidos observaram um aumento de 6,5 mil solicitações, em parte
devido ao aumento do número de solicitantes de refúgio mexicanos e
chineses.

A França manteve sua posição como segundo país que mais recebeu novos
pedidos de refúgio, com 47,8 mil solicitações em 2010 – a maioria
originária da Sérvia, Rússia e República Democrática do Congo.
Alemanha ficou em terceiro lugar, com um aumento de 49% no número de
pedidos. No caso alemão, o aumento pode ser atribuído parcialmente aos
solicitantes de refúgio da Sérvia e da antiga República Iugoslava da
Macedônia. Este processo deve-se à retirada, desde dezembro de 2009, da
necessidade de visto para nacionais desses países para entrar na União
Européia.

Suécia e Canadá ocuparam o quarto e o quinto lugar, respectivamente.
Juntos, os cinco primeiros países respondem por mais da metade (56%) de
todos os pedidos de refúgio analisados neste relatório.

Mais solicitantes da Sérvia

Em relação aos países de origem, o maior grupo de solicitantes em 2010
veio da Sérvia (quase 20 mil, incluindo Kosovo). O país registrou um
aumento de 54% comparado a 2009, quando ocupou a sexta posição. Vale
destacar que o número de soli
citantes de refúgio em 2010 foi comparável
a 2001, logo após a crise em Kosovo.

O Afeganistão caiu para o segundo lugar, com uma queda de 9% comparado
ao ano anterior. Diferentemente de 2009, quando solicitantes afegãos
foram acolhidos em sua maioria por Noruega e Reino Unido, em 2010 mais
pedidos foram registrados na Alemanha e Suécia. Solicitantes chineses
compõem o terceiro maior grupo em 2010, devido especialmente a uma queda
no número de solicitantes do Iraque e da Somália. Pela quinta vez desde
2005, o Iraque não esteve entre os dois principais países de origem de
solicitantes de refúgio, caindo para a quarta posição e sendo seguido
pela Federação Russa.

Contextualizando os últimos números com as recentes crises na Costa do
marfim e Líbia, Guterres observou que “no geral, é o mundo em
desenvolvimento que abriga a maior parte dos refugiados. Mesmo devendo
enfrentar muitos outros desafios, países como Libéria, Tunísia e Egito
mantiveram suas bordas abertas para aqueles que precisam de ajuda. Eu
peço a todos os países que os apóiem”.

*Os 44 países industrializados incluídos neste relatório são: os 27
países da União Européia, além de Albânia, Austrália, Bósnia e
Herzegovina, Canadá, Croácia, Islândia, Japão, República da Coréia,
Liechtenstein, Montenegro, Nova Zelândia, Sérvia, Suíça, Turquia,
Estados Unidos e a ex República Iugoslava da Macedônia.

O relatório completo “Asylum Levels and Trends in Industrialized
Countries 2010” está disponível no site do ACNUR:
www.unhcr.org/statistics

Deixe uma resposta