MPT sugere contratação de haitianos no Polo Industrial de Manaus
30 de março de 2011
Número de mortos sobe para 11.400 no Japão
31 de março de 2011
Mostrar tudo

Repatriamento de refugiados angolanos será iniciado em Junho

Luanda – A operação de repatriamento voluntário e organizado dos refugiados angolanos na República Democrática do Congo (RDC) terá início em Junho.

A informação está contida no comunicado final da terceira reunião tripartida entre os representantes do Executivo da República de Angola, da RDC e do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, que decorreu em Luanda nos dias 28 e 29 do corrente mês.

De acordo com o documento, a data exacta do lançamento da operação será determinada na próxima reunião tripartida a realizar-se em Kinshasa, em Maio próximo.

No encontro foram divulgados os resultados do inquérito efectuado pelo Governo da RDC, Executivo angolano, através das representações diplomáticas e consulares na RDC, e do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados por meio do qual foram identificados 76.617 refugiados angolanos nesse país.

Desse número, 15.371 encontram-se em Kinshasa, 53. 286 no Baixo Congo, 10.718 no Katanga e 242 em Bandundu, dos quais 43.085 manifestaram o desejo de regressar a Angola e 36.532 optaram por permanecer na República Democrática do Congo.

O ACNUR informou as intenções de regresso dos refugiados angolanos por província e município de origem em Angola, nomeadamente Bengo (1.065), Benguela (103), Bié ( 251), Cabinda (108), Cunene (3), Huambo (308), Huíla (15), Kuando Kubango (812), Kwanza Norte (53), Kwanza Sul (59), Luanda (9.371), Lunda Norte (1.371), Lunda Sul (2.553), Malanje (98), Moxico (2.820), Namibe (7), Uíge (12.845) e Zaire (12.043).

As partes recomendam a realização de visitas de informação às áreas de instalação de refugiados angolanos na RDC, com a participação de actores económicos bilaterais e internacionais, religiosos e da sociedade civil, com o objectivo de os informar sobre a situação actual das áreas de destino final em Angola.

A reunião realizou-se considerando a invocação da clausula da cessação do estatuto do refugiado aos cidadãos angolanos a partir de Dezembro de 2011. As informações são da Angop.

Fonte: África 21

Deixe uma resposta