Virada Política 2017 promove curso sobre refúgio em parceria com o Adus

Adus e MAM promovem Feira Étnica com palestras de sensibilização
28 de junho de 2017
Despertar para a solidariedade
10 de julho de 2017
Mostrar tudo

Virada Política 2017 promove curso sobre refúgio em parceria com o Adus

Por Alethea Rodrigues

Nos últimos dias 27 e 29 de junho, a Virada Política realizou, em parceria com Adus – Instituto de Reintegração do Refugiado Brasil – um curso para quem busca compreender a condição das pessoas em situação de refúgio no Brasil e as formas de superar as dificuldades que elas enfrentam. A iniciativa fez parte do calendário de atividades que antecedem o evento que será realizado no mês de outubro e reunirá pensadores, ativistas e artistas, com o intuito de oferecer diferentes perspectivas e opiniões e aprofundar ideias, conectar ações e garantir inspiração para projetos futuros. “Será a quarta edição da Virada e resolvemos convidar o Adus, um Instituto que realiza um trabalho super importante, além de muitas pessoas terem mostrado interesse nesse tema”, explicou Luís Fernando Kimaid, organizador do evento.

O curso foi ministrado pela advogada e diretora do Adus, Carla Mustafa, e contou com alunos de diversas áreas, incluindo estudantes e pessoas que atuam como voluntárias na causa do refúgio. Foram abordados vários temas relevantes, como: os critérios para uma pessoa ser considerada refugiada, os trâmites para solicitação do refúgio no Brasil, as leis brasileiras que garantem direitos a essas pessoas, as possibilidades de se tornar um agente facilitador da inserção social, cultural e econômica das pessoas em situação de refúgio, os obstáculos políticos, sociais e jurídicos para a integração dos refugiados no Brasil e políticas públicas para refugiados.

A musicista Lícia Ribeiro, de 47 anos, atua como voluntária e apoia a causa do refúgio há quase um ano. Sua motivação para fazer o curso foi a vontade de conhecer mais o tema, para poder desenvolver seu trabalho de maneira mais eficaz. “Fiquei sabendo do curso pelas redes sociais e resolvi me inscrever para aprimorar meus conhecimentos. Aprendi muito, principalmente sobre as mudanças nas leis brasileiras”, contou.

Dentre os temas discutidos, a conversa sobre políticas públicas para refugiados foi o foco do segundo dia de curso. O bate-papo englobou os projetos já concretizados pelo munícipio e estado de São Paulo, além de outras regiões do Brasil. Os participantes tiveram a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre órgãos como CRAI (Centro de Referência e Acolhida do Imigrante) e a Casa de Passagem Terra Nova, que abrigam refugiados e migrantes, prestam assistência social, psicológica, jurídica, além de oferecerem capacitação profissional a essas pessoas que chegam ao Brasil e necessitam recomeçar suas vidas. A importância da sociedade civil no acolhimento e integração dos refugiados também foi enfatizada diversas vezes durante o encontro, sendo apontada por Carla Mustafa como essencial. “No Brasil há entidades religiosas que prestam auxílio a essas pessoas, famílias que se sensibilizam e chegam a receber refugiados em suas próprias casas, empresas que contratam refugiados e comunidades específicas de migrantes que também fazem um trabalho fundamental. A sociedade precisa contribuir”, ressaltou a advogada.

Outros assuntos importantes relacionados às necessidades de um refugiado e dificuldades encontradas por ele foram discutidas, como a questão da moradia, acesso aos serviços públicos, combate à xenofobia, acesso à saúde, fomento ao empreendedorismo, inclusão no mercado de trabalho e acesso à educação tanto para crianças quanto para os adultos. No final das aulas, os alunos puderam tirar dúvidas em relação aos temas abordados e sobre o trabalho realizado pelo Adus. Todos os participantes receberam um certificado de participação.

Comments are closed.